Cinema era um programa bacana, coisa gostosa de se fazer. Tinha uma magia, tapete vermelho, as luzes que apagavam quando o filme começava, cheiro de pipoca, todo mundo em silêncio, aquela tela gigante que enchia os olhos, a cadeira que reclinava e as vezes até levantava o braço pra facilitar pra quem não estava exatamente interessado em ver o filme…
Mas aí parece que os cinemas resolveram assumir o seu papel de motel pra adolescentes e começaram a cobrar pelas entradas e um combo de pipoca um preço bem adulto, digamos assim.
O problema é que não parou por aí. Descobriram o 3D. 
Todo mundo queria ficar com dor de cabeça pra ver uns efeitos toscos e uma ou outra coisa pulando pra fora da tela. Já que as pessoas querem assistir, nada mais justo que cobrar o dobro por isso certo?
Só que aí, adivinha? Já que dá pra ganhar o dobro com o filme em 3D, porque dar a opção pras pessoas de assistirem o filme sem ele? Não importa se não vale a grana, não importa se a maioria dos filmes usam porcamente o efeito, não faz diferença se aquele negócio quase te faz passar mal, coloca essa porcaria de óculos porque só oferecemos sessões assim.
Nessa hora você já tá desistindo de ver o filme, tá pensando em economizar as entradas de cinema e comprar uma TV de 150” polegadas, tá fazendo um estoque de pipoca de microondas… Mas poxa, queria matar a saudade daquela salona só mais uma vez.
E de repente vem o golpe de misericórdia: além dos ingressos caros, do combo de pipoca que custa um rim, do 3D que empurram na sua garganta abaixo, eles resolvem acabar com os filmes legendados também.
Foda-se se você gosta das vozes originais, foda-se se você quer ver um filme e não uma novela do SBT, foda-se se você foi alfabetizado e não vê problema nenhum em ler um tiquinho, a opção que tem é o filme dublado e você vai ter de engolir junto com uma pipoca que tem preço de caviar.
Mas assim, fica tranquilo, ainda tem uma sessão do jeito que você quer as duas da madrugada, ou você pode ver com legenda aquele filme bosta que você nem sabia que estava passando e que ninguém tá afim de assistir.
E depois falam que o cinema vai morrer porque eu baixo filme na internet.